Blog

Pesquisar
Close this search box.

Como iniciar um cultivo orgânico em pequena escala?

Assine nossa newsletter com conteúdo exclusivo

Sumário

Iniciar um cultivo orgânico em pequena escala é uma excelente maneira de cultivar alimentos saudáveis, contribuir para a preservação do meio ambiente e até mesmo criar uma fonte de renda adicional. Com a crescente demanda por produtos orgânicos, muitos agricultores estão buscando essa oportunidade. 

Cada vez mais, as pessoas estão optando por ter uma horta orgânica como uma alternativa para escapar dos alimentos contaminados por produtos agroquímicos, que representam riscos para a saúde de consumidores e produtores, bem como danos ao meio ambiente. 

Neste conteúdo reunimos as principais informações necessárias para começar seu próprio cultivo orgânico em pequena escala. Desde a escolha do local até as práticas de manejo sustentáveis, vamos explorar passo a passo como embarcar nessa jornada de sucesso. Continue lendo e confira!

O que é e como funciona o cultivo orgânico?

O cultivo orgânico é realizado por meio de métodos alternativos e modernos, que são baseados em um sistema sofisticado e complexo de técnicas agronômicas. O objetivo principal desse tipo de cultivo não é a exploração econômica imediatista e irresponsável, mas sim a exploração econômica a longo prazo, buscando manter a estabilidade e a autossustentabilidade do agroecossistema.

Conforme definido pela Lei nº 10.831 de 23 de dezembro de 2003, que trata da agricultura orgânica, um produto orgânico, seja ele in natura ou processado, é aquele obtido em um sistema orgânico de produção agropecuária. Esse sistema considera leis e princípios ecológicos e de conservação de recursos naturais como parte integrante do processo. Além disso, a agricultura orgânica prioriza as questões sociais, buscando preservar métodos de cultivo agrícolas tradicionais adequados ou aprimorá-los.

Dentro desse contexto, a agricultura orgânica pode ser definida como um sistema de produção que evita ou exclui em grande medida o uso de fertilizantes, agrotóxicos, reguladores de crescimento e aditivos sintéticos na produção de plantas e alimentação animal. O objetivo é utilizar métodos naturais e orgânicos para promover a saúde das plantas, a sustentabilidade do solo e a segurança alimentar.

No cultivo orgânico, são adotadas práticas como o uso de adubos orgânicos provenientes de compostagem, esterco animal e adubação verde. Além disso, são utilizados métodos de controle de pragas e doenças baseados em controle biológico, rotação de culturas, plantio consorciado, manejo adequado do solo e conservação da biodiversidade.

Principais benefícios de investir no cultivo orgânico

Investir no cultivo orgânico traz uma série de benefícios importantes em diferentes aspectos. Em relação à saúde, diversos estudos mostram que alimentos orgânicos possuem menos resíduos de agrotóxicos, reduzindo a exposição a substâncias prejudiciais. 

O estudo Organic agriculture in the 21st century” publicado em 2016 na revista Nature Plants trouxe importantes insights sobre a agricultura orgânica. No artigo, os pesquisadores John Reganold e Jonathan Wachter, do Departamento de Agronomia e Ciências do Solo da Washington State University, apresentaram um diagrama resumindo anos de estudos comparativos entre o manejo convencional e o manejo orgânico.

Os estudos comparativos entre agricultura convencional e agricultura orgânica revelaram vantagens significativas para esta última. Além da produtividade e qualidade nutricional, a agricultura orgânica apresentou melhorias na qualidade do solo, eficiência energética, preservação da biodiversidade, redução da poluição hídrica, maior lucratividade e redução de custos. Também se mostrou eficiente na prestação de serviços ecossistêmicos, geração de empregos e redução dos riscos ocupacionais associados ao uso de pesticidas. 

A redução do uso de fertilizantes e pesticidas na agricultura orgânica também contribui para a redução da poluição do solo, água e ar. Além disso, a produção orgânica pode ajudar a diminuir as emissões de gases de efeito estufa.

No âmbito dos negócios, o mercado de alimentos orgânicos tem apresentado um crescimento significativo. Isso significa ter a oportunidade de aproveitar essa demanda crescente, considerando que alimentos orgânicos geralmente têm preços mais elevados, o que pode resultar em margens de lucro maiores para os produtores.

A produção orgânica também permite a diversificação de cultivos e a agregação de valor aos produtos. Por exemplo, a produção em sistemas agroflorestais combina o cultivo de alimentos com a produção de madeira, fibras ou plantas medicinais, ampliando as fontes de renda.

Como começar meu cultivo orgânico?

Mesmo com um espaço limitado é possível utilizar poucos recursos a seu favor e começar a viabilizar o cultivo. Confira a seguir algumas dicas de ouro para se atentar e não errar nessa fase!

→ Não deixe de conferir nossa série de conteúdos com especialistas no YouTube

Escolha do Local

A primeira etapa para iniciar um cultivo orgânico em pequena escala é escolher o local adequado. Certifique-se de que o local tenha acesso à luz solar suficiente – idealmente de 5 a 6 horas por dia, solo saudável e boa drenagem. Verifique se há água suficiente disponível para irrigação e se o terreno está livre de contaminações químicas. 

Além disso, certifique-se de que o local esteja protegido contra ventos fortes e seja de fácil acesso. Em espaços abertos, é possível utilizar telas de sombrite para controlar a exposição excessiva ao sol. Uma alternativa é instalar a sua horta em conjunto com outras plantas maiores, como arbustos e árvores, que funcionem como uma barreira natural contra o vento e a luz solar intensa. Essas medidas garantirão um ambiente propício para o desenvolvimento saudável das suas plantas.

Planejamento da Produção

Antes de iniciar seu cultivo, faça um planejamento detalhado da produção. Defina quais culturas você deseja cultivar e faça uma pesquisa sobre os requisitos específicos de cada uma delas. Considere fatores como o ciclo de cultivo, espaçamento necessário entre as plantas, época de plantio e colheita, e as necessidades de adubação orgânica.

Considere também a rotação de culturas, alternando os tipos de plantas a cada temporada, para manter a saúde do solo e evitar o surgimento de pragas e doenças. Planeje a quantidade de mudas ou sementes necessárias, assim como os insumos orgânicos, como adubo e compostagem.  Elabore um cronograma de trabalho e defina metas realistas para seu cultivo, acompanhando o progresso da sua horta por meio de um diário de cultivo, anotando as datas de plantio, irrigação e colheita.

Preparação do Solo

A preparação adequada do solo é fundamental para o sucesso do cultivo orgânico. Comece removendo ervas daninhas e pedras, garantindo um terreno limpo. Em seguida, é indicado realizar uma análise do solo para verificar suas características, incluindo a fertilidade, drenagem e densidade. 

Com base nos resultados, faça a adição de compostos orgânicos, como esterco curtido, composto vegetal ou húmus de minhoca, para melhorar a estrutura e fertilidade do solo. Além disso, verifique e ajuste o pH do solo, mantendo-o entre 5,5 e 6,5 para hortaliças, por meio da adição de nutrientes adequados. 

É importante também manter o solo úmido, mas não encharcado, para evitar problemas com fungos ou bactérias. Para a adubação orgânica é possível começar com materiais como cascas de ovos, que são ricas em cálcio, e explorar o uso de adubos orgânicos caseiros, como o Bokashi, que oferece uma variedade de nutrientes. Com essas práticas, seu solo estará nutrido e pronto para proporcionar o crescimento saudável das plantas em um pequeno cultivo orgânico .

Escolha das Culturas

Ao escolher as culturas para o cultivo orgânico em pequena escala, existem algumas dicas importantes a serem consideradas. Primeiramente, é essencial levar em conta a demanda do mercado local. Pesquise quais são as culturas mais procuradas na região, pois isso pode influenciar no sucesso da sua produção e nas oportunidades de venda dos produtos.

Além disso, verifique a adaptabilidade das plantas ao clima da sua região. Algumas culturas têm maior resistência a temperaturas extremas, umidade ou falta de água, por exemplo. Escolher plantas que se adaptem bem ao ambiente em que serão cultivadas aumentará as chances de sucesso. Pense também no espaço disponível para o cultivo e na quantidade de tempo que você pode dedicar aos cuidados das plantas.

Uma estratégia recomendada é priorizar variedades de plantas adaptadas ao cultivo orgânico e que sejam resistentes a pragas e doenças. Isso reduzirá a necessidade de uso de pesticidas e facilitará o manejo da horta.

Além disso, é interessante praticar a rotação de culturas. Isso significa alternar os tipos de plantas cultivadas em diferentes períodos. A rotação de culturas ajuda a melhorar a saúde do solo, evita o esgotamento de nutrientes e reduz a incidência de pragas e doenças específicas de uma determinada cultura.

Lembre-se de que a diversificação é importante. Cultive uma variedade de culturas para aproveitar ao máximo o espaço disponível e garantir uma oferta diversificada de alimentos em sua horta orgânica.

Manejo de Pragas e Doenças

No cultivo orgânico, o manejo de pragas e doenças é uma etapa importante para garantir a saúde das plantas de forma natural e sustentável. Se você está começando no cultivo orgânico, aqui estão algumas dicas relevantes para o manejo de pragas:

  • Medidas preventivas: Invista em medidas preventivas para evitar o aparecimento de pragas. Utilize plantas repelentes, como alecrim, manjericão, cebolinha e hortelã, que podem afastar insetos indesejados. Ao mesmo tempo, plante flores e plantas atrativas, como calêndula e girassol, para atrair insetos benéficos que ajudarão no controle das pragas.
  • Controle biológico: Integre o controle biológico no manejo de pragas. Isso envolve o uso de predadores naturais ou parasitóides para controlar as pragas de forma natural. Por exemplo, libere joaninhas, que são predadoras naturais de pulgões, ou utilize nematoides predadores para controlar larvas de insetos no solo.
  • Rotação de culturas: Pratique a rotação de culturas, alternando os tipos de plantas em diferentes períodos. Isso ajuda a evitar o acúmulo de doenças e pragas específicas, pois cada planta tem suas próprias necessidades nutricionais e é suscetível a diferentes problemas. Ao alternar as culturas, você interrompe o ciclo de vida das pragas e reduz o risco de infestações.
  • Monitoramento regular: Faça um monitoramento regular das plantas para identificar sinais de infestação ou doenças. Inspecione as folhas, caules e frutos em busca de danos, manchas ou sintomas incomuns. Ao detectar problemas precocemente, você pode tomar medidas preventivas ou corretivas de forma mais eficiente.
  • Armadilhas e barreiras físicas: Utilize armadilhas e barreiras físicas para controlar pragas de forma específica. Por exemplo, armadilhas adesivas podem ser usadas para capturar moscas-brancas ou tripes, enquanto redes ou telas podem ser instaladas para proteger as plantas de insetos voadores.
  • Adubação equilibrada: Mantenha um equilíbrio nutricional adequado nas plantas por meio de uma adubação orgânica balanceada. Plantas saudáveis ​​e bem nutridas têm maior resistência a pragas e doenças.

Adubação Orgânica

Uma opção é utilizar a compostagem, transformando resíduos vegetais e esterco animal em adubo natural. Além disso, você pode explorar outras fontes de adubos orgânicos, como farinha de ossos, torta de mamona, cinzas de madeira e algas marinhas. É importante seguir as dosagens recomendadas, realizar a adubação regularmente e verificar o pH do solo para garantir um ambiente adequado para as plantas. 

A adubação orgânica é uma prática sustentável que fornece nutrientes de forma natural, promovendo o crescimento saudável das plantas no cultivo orgânico.

Manejo da Água

No cultivo orgânico a sustentabilidade é um pilar muito importante, por isso o manejo adequado da água é um tema de grande atenção. Em geral, considerando as necessidades específicas de cada espécie, a rega pode ser realizada de 2 a 3 vezes por semana ou sempre que o solo estiver perdendo sua umidade, mantendo-o úmido, mas evitando o encharcamento. Essa escolha adequada das plantas contribui para um uso eficiente da água.

>> Confira AQUI nossa super cartilha de Gestão de Água

Utilize técnicas de irrigação como o gotejamento ou a irrigação por capilaridade, que reduzem o desperdício. A coleta e o armazenamento da água da chuva são práticas sustentáveis e podem ser adotadas sempre que possível. É importante também monitorar regularmente a umidade do solo para garantir que as plantas recebam a quantidade adequada de água, evitando tanto o estresse hídrico quanto o excesso de irrigação.

Uma publicação de 2012 na revista “Nature Plants” comparou sistemas agrícolas orgânicos e convencionais em diferentes regiões do mundo. Os resultados indicaram que o cultivo orgânico geralmente requer menos água do que o cultivo convencional devido a práticas de conservação de água, como o uso de cobertura vegetal, rotação de culturas e manejo adequado do solo.

Além disso, a utilização de técnicas de manejo de água eficientes no cultivo orgânico, como a irrigação por gotejamento ou a captação de água da chuva, pode contribuir para a redução do consumo de água. Essas práticas visam fornecer água diretamente às raízes das plantas, minimizando as perdas por evaporação.

No entanto, é importante ressaltar que o consumo de água pode variar dependendo de diversos fatores, como o tipo de cultura, o clima, o sistema de irrigação utilizado e as práticas de manejo adotadas. 

E para garantir o seu sucesso no campo, conte com o Sebrae RN. Mantenha-se atualizado e conectado com o setor agropecuário participando de eventos, workshops e cursos de atualização e consumindo os melhores conteúdos do setor!

Se você está envolvido na produção sustentável de alimentos, é essencial acompanhar as mudanças e inovações. O Sebrae oferece recursos valiosos para te ajudar a ser bem sucedido nessa jornada, fornecendo suporte e informações para que você se destaque no mercado agropecuário. Para saber mais confira AQUI todas as nossas iniciativas exclusivas para o agronegócio. Você também pode solicitar atendimento comparecendo ao Sebrae mais próximo ou entrar em contato com nossos especialistas direto pelo Whatsapp. Será um prazer te atender! 

Compartilhe

Sobre o autor

Ana Débora

Ana Débora

Graduada em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, especialista em Gestão de Pessoas e Marketing. Atua na Unidade de Soluções e Relacionamento e é gestora das Mídias Sociais do Sebrae/RN.

Assine nossa newsletter com conteúdo exclusivo.