Blog

Pesquisar
Close this search box.

5 passos essenciais para começar na agricultura familiar

Assine nossa newsletter com conteúdo exclusivo

Sumário

A agricultura familiar é um sistema de produção associado às formas de cultivo da terra e produção rural, onde a mão de obra é majoritariamente proveniente do núcleo familiar.

Uma das principais características desse modelo é a produção realizada por pequenos agricultores, com uma maior diversidade produtiva e a gestão integral da propriedade pela família, incluindo a produção e a comercialização dos alimentos.

Estima-se que existam mais de 500 milhões de produtores rurais dedicados à agricultura familiar em todo o mundo, o que corresponde a mais de 90% de todas as propriedades agrícolas, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU).

Esses números destacam a importância da agricultura familiar para a segurança alimentar global e para a economia de diversas regiões do planeta.

No entanto, começar na agricultura familiar pode ser desafiador. É preciso estar preparado para enfrentar as variações climáticas, as dificuldades de comercialização e as constantes mudanças no mercado.

Por isso, é fundamental seguir alguns passos essenciais para dar o pontapé inicial e garantir o sucesso do negócio. Se você está pensando em começar na agricultura familiar, deixamos aqui 5 passos essenciais que podem ajudar a tornar o seu sonho em realidade. Continue lendo e confira!

Saiba qual é o conceito agricultura familiar

A Lei 11.326/2006, que regulamenta a agricultura familiar no Brasil, define esse tipo de atividade como aquela que é realizada no meio rural e que atende a determinados critérios, tais como:

  • Uso predominantemente de mão de obra familiar;
  • Gestão autônoma do estabelecimento rural pela família;
  • Obtenção de renda familiar proveniente das atividades realizadas na propriedade;
  • Possuir área de até quatro módulos fiscais.

A regulamentação da agricultura familiar é importante para garantir o desenvolvimento sustentável do meio rural, valorizando a diversidade cultural e a preservação do meio ambiente. 

Ao reconhecer e apoiar os agricultores familiares, é possível promover a segurança alimentar e nutricional da população, gerar empregos e renda nas áreas rurais e contribuir para o desenvolvimento socioeconômico do país.

Além disso, a inclusão de outros grupos como pescadores, silvicultores, extrativistas, aquicultores, quilombolas, indígenas e assentados da reforma agrária na Lei 11.326/2006 reflete o compromisso do Estado em promover a inclusão social e econômica desses grupos.

Essa ação auxilia na valorização das suas tradições culturais e suas formas de produção baseadas na sustentabilidade e na preservação dos recursos naturais.

A crescente demanda por produtos provenientes de pequenas propriedades rurais praticantes de agricultura familiar tem gerado diversas oportunidades para esses produtores. O mercado consumidor tem valorizado cada vez mais produtos livres de agrotóxicos e cultivados com cuidado pelos agricultores.

Isso é, inclusive, uma das vantagens de entrar na agricultura familiar. Por isso, confira a seguir por onde você pode começar a se inserir nesse mercado:

Como entrar para o mercado de Agricultura Familiar

1 – Vincule-se à cooperativas e associações que apoiam a agricultura familiar

Um bom caminho para quem está começando na agricultura familiar é vincular-se a cooperativas rurais e associações de produtores. Essas entidades oferecem parcerias entre produtores, linhas de crédito especiais e cursos de profissionalização para os agricultores. Além disso, cooperativas e associações rurais podem facilitar o acesso à tecnologia e maquinário de colheita e cultivo de terra para produtores que não têm recursos para adquiri-los. 

Outro benefício é a possibilidade de participar de programas de certificação de qualidade e sustentabilidade. Esses programas atestam que os produtos foram produzidos seguindo padrões de qualidade e sustentabilidade, aumentando  a competitividade dos pequenos negócios e ampliando o acesso a novos mercados consumidores. 

Além disso, algumas cooperativas e associações também podem auxiliar os produtores na comercialização de seus produtos, facilitando o acesso a novos canais de venda e ampliando as oportunidades de negócio.

2 – Busque profissionalização

A profissionalização da equipe na agricultura familiar traz grandes benefícios para as propriedades, permitindo a utilização de melhores técnicas de plantio e colheita, além de tornar outros processos mais eficazes, melhorando a qualidade  da produção. Além disso, a capacitação dos membros da família que atuam na propriedade rural pode levar à adoção de sistemas mais sustentáveis, permitindo que a família possa retirar da terra e do agronegócio todo o seu sustento.

Os que se encontram envolvidos diretamente com a produção podem buscar cursos técnicos e profissionalizantes, incluindo opções a distância, oferecidos por instituições como os Institutos Federais e o SENAR, presentes em todos os estados do país. Esses cursos são fundamentais para aprimorar as habilidades dos trabalhadores rurais, aumentando a produtividade e a eficiência no campo.

3 – Invista em tecnologias 

A adoção de tecnologias na agricultura familiar apresenta muitos benefícios, porém, muitas vezes os produtores tendem a desconsiderar essa opção por acreditarem que está fora de sua realidade. Nós sabemos bem que diversos recursos tecnológicos ainda possuem um alto custo. Contudo, pode ser determinante avaliar as opções disponíveis diante do cenário da sua produção, considerando melhorias na eficiência e redução nos custos de produção.

Embora não seja necessário adotar todos os processos produtivos do cultivo, a aplicação de tecnologias em etapas chave pode trazer grandes melhorias. Um exemplo é o GPS agrícola, que traça um percurso sobre a propriedade no qual o maquinário passa uma única vez, tornando o trabalho mais eficiente e menos custoso.

Existem muitas outras tecnologias que podem auxiliar no campo e aumentar a produtividade da agricultura familiar. Uma alternativa para auxiliar no amadurecimento da produção pode ser estudar as opções de softwares de gestão rural disponíveis no mercado. Esses softwares têm como foco melhorar a organização do agronegócio e definir processos de controle desde a gestão financeira até a gestão de insumos, logística, vendas, negociações e muito mais.

4 – Registre-se no CAF

O Cadastro Nacional da Agricultura Familiar (CAF), é um registro que tem como objetivo identificar e mapear as famílias que desenvolvem atividades econômicas no meio rural e que se enquadram nas definições de agricultura familiar. Esse cadastro é importante para a implementação de políticas públicas voltadas para esse setor, como a oferta de crédito rural, assistência técnica e extensão rural, entre outras iniciativas. O CAF, nesse contexto, é uma ferramenta importante para a inclusão dos agricultores familiares em programas e projetos específicos para esse segmento. 

Ele permite que o governo tenha um panorama mais detalhado da agricultura familiar no país, facilitando a identificação de demandas e a implementação de políticas mais efetivas. A partir dele, também é possível desenvolver estratégias mais adequadas para o fortalecimento desse setor, contribuindo para a geração de emprego e renda nas áreas rurais e para a segurança alimentar da população. É possível saber mais informações e realizar seu cadastro direto no portal gov.br.

5 – Melhore suas habilidades de liderança e gestão

Para aumentar a lucratividade de uma propriedade rural, é importante ter uma gestão profissional, prestando atenção aos impostos, logística e organização financeira do negócio. A profissionalização da equipe é imprescindível, mas aperfeiçoar as habilidades dos gestores também deve ser um ponto de atenção. 

Para garantir uma gestão eficiente, é necessário ser capaz de tomar decisões rápidas e eficazes em situações de crise. Além disso, é importante ter uma boa capacidade de liderança, para motivar e guiar os colaboradores no ambiente familiar rumo aos objetivos traçados.

Um líder na agricultura familiar precisa estar atualizado sobre as tendências e tecnologias do mercado. Isso pode ser alcançado por meio de cursos, treinamentos e networking com outros profissionais da área.

A capacitação em liderança pode ajudar a desenvolver essas habilidades e muitas outras, preparando para enfrentar os desafios que a agricultura familiar pode trazer. E se o assunto são conteúdos, formações e eventos focados no Agronegócio, conte com o Sebrae! 

Contamos com uma Unidade específica para atender demandas do Agronegócio, além de consultorias tecnológicas (Sebraetec) que oferecem suporte para quem quer começar na agricultura ou aprimorar processos. Para saber mais confira AQUI todas as nossas iniciativas exclusivas para o agronegócio. Você também pode solicitar atendimento comparecendo ao Sebrae mais próximo ou entrar em contato com nossos especialistas direto pelo Whatsapp. Será um prazer te atender! 

Compartilhe

Sobre o autor

Ana Débora

Ana Débora

Graduada em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, especialista em Gestão de Pessoas e Marketing. Atua na Unidade de Soluções e Relacionamento e é gestora das Mídias Sociais do Sebrae/RN.

Assine nossa newsletter com conteúdo exclusivo.